Aracaju, 01 de Março de 2021

WhatsApp: mudanças sobre política de privacidade não convence

Usuários continuam migrando para outros aplicativos de mensagens
22/02/2021 08h:52 - Por Com informações da CNN - Foto: Anton/Pexels

O Facebook, detentor do aplicativo de mensagens WhatsApp, tenta explicar à Secretaria Nacional do Consumidor(Senacom) as mudanças em sua política de privacidade, anunciada no início deste ano, mas sem muito sucesso. Usuários continuam migrando para outros aplicativos como o Telegram e o Signal.

 

Segundo a administração do WhatsApp, o aplicativo continuará sem acesso a mensagens pessoais dos usuários, mas destacou que conversas entre pessoas físicas e empresas serão acessadas pela plataforma gerenciada pelo Facebook.

 

Por meio do recurso status, aba inserida no app semelhante aos Stories do Instagram, o WhatsApp diz aos usuários que é comprometido com a privacidade dos usuários. "Nosso compromisso com sua privacidade continua exatamente o mesmo. Suas conversas pessoais são protegidas com a criptografia de ponta a ponta. O WhatsApp não pode ler nem ouvi-las."

 

A mudança, no entanto, de acordo com a empresa, é no relacionamento entre pessoas que, via aplicativo, façam solicitações a empresas ou busquem soluções para problemas. Essas mensagens serão acessadas pelo WhatsApp, segundo a administração do aplicativo, para entender os relacionamentos dos usuários com entidades comerciais.

 

A nova política de privacidade estava prevista para entrar em vigor no dia 8 de fevereiro, mas o temor de usuários e a repercussão na imprensa fez a empresa adiar a implementação para 15 de maio.

 

 

Telegram ganha com a crise

 

Logo após o anúncio das mudanças na política de privacidade do WhatsApp, o Telegram registrou a entrada de 25 milhões de novos usuários. Só na primeira semana de janeiro, o Telegram ultrapassou 500 milhões de usuários ativos por mês.

 

Já o Signal, outro aplicativo de troca de mensagens, também ultrapassou o WhatsApp nos últimos dias e agora lidera a lista dos mais baixados da Play Store no Brasil.

 

Comentários