Aracaju, 16 de Abril de 2021

Mulheres e Meninas na Ciência: visibilidade e incentivos são importantes

11/02/2021 10h:49 - Por Redação-Foto: Reprodução internet

Nesta quinta-feira, 11, a estudante Nallanda Victoria dos Santos Martins, aluna do Colégio Estadual Dr. Antônio Garcia Filho, em Umbaúban(SE), recebe a menção honrosa do 2º Prêmio ‘Carolina Bori Ciência & Mulher’, que nesta edição contemplou a categoria Meninas na Ciência. É também neste dia que se comemora o Dia Internacional de Mulheres e Meninas na Ciência.

 

Participaram do evento 286 candidatas de 18 estados e 70 municípios de todas as regiões do país. A premiação, que acontece de forma virtual, destaca pesquisas de iniciação científica que demonstraram criatividade, boa aplicação do método científico e potencial de contribuição com a ciência no futuro. A estudante sergipana foi destaque com o trabalho ‘Casa de farinha: da mandioca ao bioplástico’, sob orientação da professora Darcylaine Martins.

   

 

                                                                                                                   Foto: UFS

                                                                                                              Nallana Martins recebeu incentivo de professora e colegas

 

 

Nallanda faz parte de um grupo, ainda pequeno, mas que cresce a cada ano, de meninas que marcam presença cada vez mais na Ciência. Mas ainda há um longo caminho a ser percorrido, particularmente no Brasil, para meninas e mulheres alcançarem a visibilidade na Ciência, segundo a pesquisadora Fernanda Negrini, do Centro de Pesquisas em Ciência e Tecnologia do Ipea.

   

Em artigo publicado pelo Wilson Center Brazil Institute, sediado em Washington (EUA), no ano passado, Negrini destacou os avanços das mulheres na Ciência.

 

“Hoje, as mulheres são cerca de 54% dos estudantes de doutorado no Brasil, o que representa um aumento impressionante de 10% nas últimas duas décadas. Esse número é semelhante ao dos países desenvolvidos, como os Estados Unidos, onde em 2017 as mulheres conseguiram 53% dos diplomas de doutorado concedidos no país. No Brasil, assim como no resto do mundo, no entanto, essa participação varia muito de acordo com a área do conhecimento. Nas ciências da vida e da saúde, por exemplo, as mulheres são a maioria dos pesquisadores (mais de 60%), enquanto nas ciências da computação e matemática elas representam menos de 25%”.

 

Mesmo ainda em menor número, cada vez mais elas saem da invisibilidade, principalmente nesse momento de pandemia por causa da Covid-19.

 

 

 

Mulheres x pesquisas covid-19

 

Você tem ideia da participação importante das mulheres cientistas nesse processo de pesquisas sobre a vacina contra a Covid-19? Aos poucos, as pessoas no mundo estão descobrindo que foram elas que trouxeram luz para a maioria dos estudos das vacinas que já estão sendo aplicadas no mundo.

 

 

 

 

                                                                                                   Foto: Divulgação

                                                                                                                    Katalin Karikó: estudos da vacina Pfizer/BioNTech

 

 

A Vacina da Pfizer/BioNTech, 1ª de RNA aprovada no mundo, contou com a tecnologia desenvolvida pela pesquisadora húngara, radicada nos EUA, Katalin Karikó. Esta foi a primeira vacina contra Covid-19, aprovada e distribuída no Reino Unido, que trouxe esperança no combate à pandemia em todo o mundo.

              

 

 

 

                                                                                                           Foto: Divulgação

                                                                                                                             Nita Pantel lidera pesquisas da Novavax

 

 

A Vacina Novavax conta com a liderança da cientista indiana, Nita Patel, cuja equipe é totalmente feminina. Já a vacina da Moderna, teve a primeira fase de testes liderada pela americana Lisa A. Jackson, da Universidade de Washigton.

 

 

 

 

                                                                                                            Foto: Divulgação

                                                                                                                           Lisa Jackson: 1ª fase da Moderna

 

 

Aqui no Brasil, algumas cientistas brasileiras foram fundamentais para a viabilização da parceria que trouxe ao país os testes da vacina de Oxford contra o coronavírus. Foi uma mulher, a infectologista carioca Sue Ann Costa Clemens, que intermediou a parceria entre o Brasil e o Reino Unido para trazer os estudos clínicos do imunizante ao país.

 

 

 

 

                                                                                                          Foto: Divulgação

                                                                                                         As cientistas brasileiras  Nísia Trindade e Sue Ann Clemens                                    

 

 

A socióloga Nísia Trindade Lima, presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) - a primeira mulher em 120 anos de história também foi uma peça-chave para o desenvolvimento das pesquisas das vacinas no país. Ela coordenou a produção de milhões de testes diagnósticos, a capacitação de laboratórios públicos brasileiros e de países vizinhos e a preparação do seu instituto de infectologia para atender a pacientes com a doença.

 

A visibilidade é só uma forma de incentivo. As mulheres cientistas precisam também de maior apoio financeiro e, no caso das meninas, de pessoas como a professora de química Darcylaine Martins, que orientou e motivou a conquista da estudante Nallana, em Sergipe.

Comentários