Aracaju, 24 de Setembro de 2020

Pesquisa inédita aponta tendências para a indústria de moda e beleza voltada às mulheres 50+

Conduzida pela Dezon, Hype60+ e Tsunami60+, a pesquisa "Wellness & Beleza Prateada" analisa hábitos comportamentais e dinâmicas sociais dessas consumidoras
14/03/2020 11h:39 - Por Da Redação Por: Pinterest

Envelhecer é uma novidade. Por mais que a frase pareça uma contradição, o fato é que o ser humano está vivendo mais. Como resultado da conquista da longevidade, temos encontrando desafios socioeconômicos nunca enfrentados e que demandam mudanças de paradigmas sobre a idade. Para sobreviver nesse futuro prateado, as marcas precisam operar uma mudança de mindset – até então orientada por uma obsessão pela beleza juvenil – para enxergar o enorme potencial da Economia da Longevidade.


São os consumidores com mais de 50 anos que vão ensinar aos gestores de marcas sobre os hábitos, desejos e o mercado emergente que está se formando para uma população cada vez mais longeva. O futuro é velho e para entender os drivers de consumo desse novo mundo e apontar as tendências para os mercados de beleza, moda e bem-estar, a Dezon, Hype60+ e Tsunami60+ conduziram a pesquisa Wellness & Beleza Prateada, que foi divulgada na Unibes Cultural.  
 

O Brasil conta com mais de 30 milhões de pessoas com mais de 60 anos: 54 milhões, se considerarmos os 50+, de acordo com projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As mulheres maduras já representam 13,7% da população, ultrapassando os 29 milhões de pessoas – o equivalente a quase três vezes a população de Portugal. “Os maduros de hoje têm um estilo de vida e hábitos de consumo que eram, há três décadas, associadas aos jovens. Namoram online e têm vida sexual ativa; trabalham; são ativistas de causas modernas; continuam curtindo rock e buscando aprimoramento intelectual e profissional.


 

Mulheres maduras X Publicidade
 

“A definição de idoso está muito velha”, analisa Layla Vallias, cofundadora da Hype60+ e uma das coordenadoras da pesquisa, acrescentando que um dos erros mais comuns é considerar os idosos uma massa de consumidores com desejos e necessidades iguais. “Além das diferenças etárias, quando pensamos nas mulheres maduras, vemos que elas são as protagonistas dessa Economia da Longevidade; são elas que estão liderando o orgulho prateado”, afirma.
 

Para Bete Marin, cofundadora da Hype60+ e idealizadora do movimento Beleza Pura, embora as mulheres maduras representem um volume gigante da população e sejam as protagonistas da Revolução da Maturidadeelas são ignoradas pelas marcas. “Elas não estão na publicidade.” Repare no anúncio de xampu, na vitrine das lojas e no e-commerce, ou nas campanhas de redes sociais. As mulheres maduras ainda são invisíveis na publicidade.
 

Em Cannes de 2019, mais de 70% das agências de publicidade afirmaram nunca ter recebido um briefing voltado para o público sênior, apesar de serem responsáveis por 50% do consumo global. E, para piorar, se um departamento de marketing descobre que a média de idade do seu público mudou, isso é motivo de desespero. Afinal, sua marca está “envelhecendo”, alerta.
 

Para trazer visibilidade ao Tsunami Prateado global e auxiliar as marcas a repensar produtos, serviços e posicionamento, Dezon, Hype60+ e Tsunami60+ apresentam a pesquisa inédita Wellness & Beleza Prateada.


 

Principais conclusões da pesquisa
 

As estimativas mais conservadoras apontam que os maduros vão representar 25% da população mundial até 2040, formando um contingente de 2,1 bilhões de pessoas no mundo. Esse Tsunami Prateado – no Brasil, um grupo de 30 milhões – continua a ser ignorado por marcas e empresas. “Essa falta de visão não é uma prerrogativa do Brasil. Nos Estados Unidos, somente 15% das empresas já definiram alguma estratégia focada no público maduro”, analisa Bete Marin, cofundadora da Hype60+.
 

Embora as relações amorosas sejam importantes e desejadas em qualquer idade, na maturidade elas se tornam mais relevantes. A pesquisa Tsunami60+ revela 68% dos entrevistados estão em um relacionamento; 76% dos mais de 1.700 maduros ouvidos pelo estudo declararam estar satisfeitos com a vida afetiva atual; entre os com mais de 75 anos, esse índice sobre para 86%.
 

A pesquisa analisa o desejo de consumo dos 60+. As mulheres maduras apontam a invisibilidade como principal desafio, sobretudo porque as marcas têm falhado em não conhecerem os gostos, corpos e estilo de vida. Quatro entre 10 maduros com mais de 55 anos declararam que não há produtos e serviços para consumidores com a idade deles, sendo as mulheres as que mais reclamaram do fenômeno: 43% delas contra 20% deles.
 

As categorias mais apontadas – e com maior demanda por parte do consumidor maduro – são vestuário, calçado e acessórios (56%); alimentos diet ou sem glúten (40%); serviços de turismo (36%); cursos (31%); soluções para acessibilidade em casa (28%); produtos de beleza e higiene pessoal (27%); e cursos de línguas/intercâmbio (22%).
 

Quando perguntados qual seria o desejo, a resposta é simples: unir a estética contemporânea e atrativa ao conforto e usabilidade, levando em consideração as demandas específicas dos corpos com mais de 60 anos. No subtexto, romper com o estereótipo das cores neutras, da linguagem pastel e sem vida. “As mulheres, na maturidade, vivem uma fase de liberdade. Elas se sentem livres para viver e ser o que quiserem, pois já cuidaram dos filhos e do marido; agora, querem cuidar de si. Estão abertas para novos aprendizados, novas amizades, novas paixões. Muitas decidem se separar para viver um novo romance consigo mesma”, detalha Layla Vallias.
 

Comentários