Aracaju, 24 de Maio de 2018

Mães empreendedoras: mulheres investem em negócio próprio após maternidade

Ter mais tempo com os filhos, flexibilidade de horários e afastamento do trabalho são alguns dos motivos que impulsionam o empreendedorismo
10/05/2018 09h:28 - Por Redação
Article cover big 21604b1d4d47e18c

Equilibrar a rotina de trabalho com a criação dos filhos é tarefa complicada para grande parte das mulheres brasileiras. Diante disso, o investimento em um negócio próprio aparece como uma das soluções para as mães lidarem com a dupla jornada - cerca de 75% das mulheres empreendedoras no Brasil criaram seus próprios negócios após virarem mães, de acordo com pesquisa realizada pela Rede Mulher Empreendedora (RME).

 

O site Elo7, maior marketplace de produtos criativos e autorais do país, reúne mais de 90 mil lojistas cadastrados, que em grande parte são mulheres que investiram em um negócio próprio após o nascimento dos pequenos, como é o caso da Tais Refinetti Martins, 36 anos. A designer de moda trabalhou muitos anos como modelista e, em 2012, investiu na Taioca, loja de fantasias criativas e confortáveis, para ter mais tempo para cuidar de seu filho.

 

No entanto, de acordo com Carlos Curioni, CEO da empresa, os motivos para criação das lojas são diversos, e vão além da vontade de estar mais perto dos pequenos. "A flexibilidade da rotina e o afastamento do trabalho após retorno da licença maternidade são outros elementos que impulsionam a criação de lojas na plataforma", explica.

 

Karen Abe, 36 anos, é um desses casos. A empreendedora atuou por mais de 10 anos nas áreas de design e marketing e, após retornar da licença maternidade, foi dispensada da empresa que trabalhava. "Naquele momento, passei a refletir sobre os rumos que gostaria de dar para minha vida profissional e, com o apoio do meu marido, comecei a produzir itens para bebês e crianças como forma de terapia", conta a lojista. Os produtos, como babadores e almofadas de amamentação, por exemplo, eram produzidos de acordo com as necessidades da filha - hoje com três anos - e vendidos na loja virtual Caramelito. Atualmente, a loja é a única fonte de renda da micro empresária.

 

No Elo7, é possível iniciar um negócio próprio de forma rápida e acessível. Não há custos para criação das lojas e o único requisito para ingressar na plataforma é que os produtos comercializados sejam autorais. As principais categorias disponíveis são aniversários e festas, casamentos, bebê e decoração.

 

 

                          

                                             Karen Abe

Comentários