Aracaju, 25 de Abril de 2018

Mulheres nem sempre querem ser mães

Pesquisa aponta queda nos nascimentos no Brasil
28/03/2018 10h:47 - Por Da Redação Crédito da foto: Divulgação
Article cover big 77f380c99b742d73

Segundo pesquisa realizada pelo IBGE em 2016, o Brasil marcou queda em -5,1% em nascimentos, relacionado ao ano de 2015, sendo a primeira queda desde 2010. Este é um assunto que vem despertando interesse em diversas áreas do conhecimento, como por exemplo, psicologia social e sociologia, tentando entender este novo momento da mulher no campo social e quais os impactos psicossociais desta escolha. 


A psicóloga Salma Cortez explica que fatores importantes estão impactando neste processo, como aumento da importância da carreira profissional para mulheres, o crescimento gradativo do poder econômico e, portanto, a sensação de maior autonomia e poder de escolhas. A diversidade de métodos contraceptivos, o maior nível de consciência sobre o nível de investimento afetivo, psicológico e financeiro, que envolve a criação de um ser, também são levados em conta, porém o ponto mais interessante para a terapeuta é o descolamento da identificação mulher/mãe. 
 

"Isto nos leva a pensar que é uma escolha que, mais do que uma pressão de fatores externos, está vindo a partir de um posicionamento interno a partir do qual dizemos para nós mesmas que o fato de sermos mulheres não nos obriga a também a sermos mães. Estamos percebendo e tendo acesso a outras formas de nos sentirmos completas e criativas de formas que talvez nunca tivéssemos pensado antes", afirma Cortez. 
 

A terapeuta cita a psicanalista Corinne Maier, que resume bem tal pensamento: "O filho não é um direito nem uma necessidade. Ele é simplesmente... uma possibilidade". Corinne é uma psicanalista suíça, atualmente com 54 anos de idade e, portanto, com base de pensamento bastante contemporânea. Em seu livro, Sem filhos, ela analisa a glamourização da maternidade, onipresente na mídia contemporânea, mas que está muito longe de estar presente em nossas vidas reais.
 

Para Cortez, para ser bons pais e boas mães, o amor só não basta. Esta é uma relação delicada onde aceitação e rejeição normalmente se entrelaçam. Há um investimento psicológico no processo que não é mostrado. "Talvez estejamos amadurecendo para isto e quem sabe até assumindo para nós mesmos que não somos mais tão enganados por tal glamour. Por outro lado, estamos também percebendo que compensar nossa ausência com presentes e roupas para nossos filhos não funciona mais e nunca funcionou!", enfatiza a Salma.
 

Ela afirma também que, talvez mais do que simplesmente não querer ter filhos, as mulheres estejam na verdade buscando questionar se irão perpetuar o modelo que se tem até os dias de hoje.
 

"Caso seja assim, estaremos na verdade adotando uma posição de força e consciência que nos dará resiliência suficiente para não sucumbirmos à pressão de modelos arcaicos do que é ser mulher", finaliza a psicóloga.

 

 

                           

 

Salma Cortez é formada em psicologia pela USP, mestre em Reiki e membro da SBDOF (Sociedade Brasileira de Dor Orofacial). Terapeuta especializada em tratamento da DTM, desenvolvimento da qualidade de vida e aprofundamento do autoconhecimento por meio dos Florais Joel Aleixo e da EFT (Emotional Freedom Techniques ). 
 

Comentários