Aracaju, 20 de Novembro de 2018

Dia Nacional do Perdão: autora do livro "Perdão, a revolução que falta" ressalta a importância de perdoar para o processo de cura emocional

30/08/2018 15h:43 - Por Da Redação
Article cover big c8f0b8b174b4fecb

O dia 30 de agosto foi instituído como o Dia Nacional do Perdão. O projeto que deu origem à lei é de autoria da deputada federal Keiko Ota (PSB-SP), que teve o filho Ives, na época com 8 anos, sequestrado e morto. O crime aconteceu no dia 30 de agosto de 1997. Depois de conhecer os assassinos do filho, a deputada e seu marido, Masataka Ota, decidiram perdoá-los.

 

Segundo Heloísa Capelas, especialista em inteligência comportamental, diretora do Centro Hoffmann e autora do livro "Perdão, a revolução que falta", o perdão não deve ser associado somente a casos trágicos, como o que impulsionou a criação da lei, mas sim a um processo que deve ser praticado diariamente.

 

"Devemos dar o perdão nosso de cada dia. Perdoar o colega de trabalho por ter tido uma conduta mal-educada durante uma reunião, perdoar um desconhecido que te fechou bruscamente no trânsito, perdoar o vizinho que não te deixou dormir à noite por conta do som alto e, principalmente, perdoar os pais e demais familiares por conta de atitudes que causaram mágoas. Perdoar é um ato de inteligência emocional e de cura interior", diz.

 

A especialista ressalta que perdoar nem sempre é simples, embora seja o único caminho para a libertação. "Esquecer o que aconteceu não é fácil. Temos a sensação de que perdoar seria demonstrar que a nossa dor não vale tanto assim e, desta forma, em alguns casos, entramos em um ciclo sem fim, que alimenta a vingança e o próprio sofrimento e ressentimento", afirma.

 

Já que o perdão é uma condição fundamental para o tratamento das dores emocionais, confira quatro dicas elaboradas por Heloísa:

 

1- Fale sobre a sua dor

 

A boca fala o que o coração está sentindo. Por isso, muitas vezes, uma pessoa magoada não consegue falar de outro assunto. Estudos demonstram que, cada vez que nos recordamos dos acontecimentos que elegemos como imperdoáveis, nosso organismo reage quimicamente de forma nociva. Ou seja, não perdoar – ou ficar preso ao ressentimento – faz mal à saúde. Segundo Heloísa, transformar a dor em palavras não significa falar mal do outro, mas sim, relatar o que, de fato, aquela circunstância significa para você. Ter alguém de confiança para desabafar pode ser uma boa saída. Mas, caso você prefira fazer isso sem envolver outras pessoas, escrever em um diário pode ser uma alternativa. "Canalizar a mágoa é uma forma de centralizar sua angústia e colocar um ponto final na culpa do outro", diz.

 

2- Reconheça suas fragilidades

 

O primeiro passo para uma vida sem culpas é reconhecer os motivos que te levaram a uma situação desconfortável. Colocar na balança a sua parcela de culpa e identificar o que você poderia ter feito para evitar o confronto é uma excelente alternativa para uma vida de desapego de sentimentos ruins. Refletir sobre os prós e os contras de tal situação é um exercício de inteligência emocional.

 

3- Seja o "ponto final" de maus-tratos

 

Segundo Heloísa Capelas, nos mais de 30 anos de trabalho como terapeuta familiar, já ouviu inúmeras vezes filhos culpando seus pais por situações não resolvidas. Essa repetição de padrão é um ponto forte no desequilíbrio das relações diárias. "Todos nós estamos em profunda conexão com o universo e o universo está igualmente conectado conosco. Quanto mais abertos e atentos estivermos a esse elo, mais preparados estaremos para receber o que é nosso por direito", explica.

 

4- Dê o pontapé inicial

 

O poder do perdão é individual e intrasferível. Muitos pensam que perdoar é se reconciliar com o outro e, por isso, acabam na frustração. Segundo Heloisa, o apego à raiva e o sentimento de vingança tornam o ciclo mais complicado. Livrar-se dessa corrente pode salvar vidas, inclusive a sua. "Você pode perdoar em silêncio. O outro nem sempre precisa saber do seu perdão. A cura e o ponto final desse ciclo pode estar em não sentir mais raiva", explica.

 

 

 

 

* O Centro Hoffman é referência mundial em treinamentos de Autoconhecimento. Fundado há mais de 35 anos, está presente em 14 países com cursos, palestras, workshops, programas de desenvolvimento individual, assim como outras atividades e conteúdos que promovem a reeducação e o desenvolvimento das Inteligências Emocional e Comportamental. No Brasil, a licença para aplicação do treinamento é da especialista Heloísa Capelas.

Comentários