Aracaju, 15 de Agosto de 2018

Coluna

Post a28f54601f0685fa

Cara a cara com alguém muito especial: Você!

Por Eliana Barbosa

Coach de relacionamentos, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento, apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos.
www.elianabarbosa.com.br
eliana@elianabarbosa.com.br

 

23/10/2014
Quando os filhos erram
Article cover big 41d7179e65e0c574

É muito comum entre os pais a preocupação excessiva em relação aos caminhos que seus filhos vão tomar na vida. Afinal, o que vocês devem fazer quando sentem que as decisões de seus filhos são erradas ou arriscadas: deixar que ajam como bem entendem e arquem com as consequências, ou impedi-los, impondo-lhes aquilo que pensam que é o correto?
 

• Esta é uma questão delicada. Enquanto seu filho estiver sob seu controle, menor de idade e dependente financeiramente, vocês podem até impedir alguns erros.
 

• Porém, ao perceber que seu filho agiu mal, jamais encubram os erros dele. Se errou, ele – e não vocês – terá que reparar. Por exemplo, se vocês viram  que o filho furtou uma bala que seja, faça-o voltar ao local, pedir desculpas e pagar. Essa vergonha que ele vai passar será uma valiosa lição para sua vida inteira. Toda vez que ele pensar em fazer algo imoral ou ilegal, vai se lembrar desse episódio e sentir mal com a própria atitude.
 

• Caso seja adolescente, se preciso for, apelem para o Juizado de Menores, que poderá ajudá-los a colocar limites, e procurem um psiquiatra para avaliar os distúrbios de comportamento dele, e medicar, se preciso for.
 

• Independente da idade, não superprotejam seu filho, não façam nada que seja responsabilidade dele. Deixem-no aprender a caminhar sozinho, tropeçar, cair e levantar. São essas pequenas superações que irão construir a autoestima dele.
 

• Quando adulto e independente, cuidado para vocês não interferirem de forma ostensiva. Sejam sutis, porque não tem como impedir esse filho de arriscar ou de agir errado. E quanto mais vocês falarem, menos ele os escutará, menos vai querer seguir seus conselhos.
 

• Sugiro que você – pai ou mãe – diga o seguinte, olho no olho: “Meu filho, você é livre para escolher seus caminhos, mas saiba que será responsável pelas consequências. Acima de tudo, eu te amo. O que não amo e não aprovo é o seu comportamento. E este, o comportamento, você pode mudar quando quiser. Eu vou apenas dar a minha opinião a respeito de suas escolhas e vou rezar para você.”
 

• Se até Deus, o Pai Maior, permite que Seus filhos errem e aprendam com os erros, quem somos nós, simples humanos, para impedir que nossos filhos caiam, se levantem e cresçam?
 

• E, finalizando, guardem bem: Limite é amor!

Envie seu comentário