Aracaju, 25 de Junho de 2018

Coluna

Post 15432ba51c8d43d8

O Caminho 3T

Por Giridhari Das

É mestre espiritual brasileiro e autor de livros de autoaprimoramento e autorrealização em yoga. Seus ensinamentos podem ser vistos em palestras, livros e vídeos gratuitos na internet e ao vivo no Yoga Resort e Fazenda Retiro que fundou na Chapada dos Veadeiros, o Paraíso dos Pândavas. O foco de seus conhecimentos é o Caminho 3T, onde ele transmite centenas de dicas, fatos e técnicas testadas pelo tempo e confirmadas pela ciência para o autoaperfeiçoamento. Sua linhagem espiritual é originária da Índia, há mais de 5.100 anos, e remonta o legado de grandes mestres como Srila Prabhupada (1896-1977), Chaitanya Mahaprabhu (1486-1534), tocando os ensinamentos do próprio Senhor Krishna, relatados na Bhagavad-gītā. Ele foi iniciado em 1996 por Srila H.D. Goswami Acharyadeva. Ele é pai dos meninos Bryn Govardhana e Macsen Krishna e esposo de Charana Renu Dasi. A mensagem do mestre espiritual Giridhari Das, ou simplesmente Guiri, traz a busca dos valores internos que a alma anseia viver, e não o que a vida mundana tenta nos convencer como certo.

16/03/2018
Perdoe-se. Pratique o autoamor. Aliás, repita agora mesmo: Eu me amo!
Article cover big 80bbbb1d18a07979

Não fique se machucando. Ao ser atacad@ por você mesmo, surge uma tendência de buscar uma satisfação momentânea, contraprodutiva e de autossabotagem. E isso pode se tornar um vício.  O vício nasce da necessidade de buscar um prazer que não te preenche, te compensando por uma dor ou frustração, preenchendo essa carência com fatores externos. E essa técnica - muito negativa - de escape, pode entrar num looping, ou seja um círculo vicioso com o qual a pessoa se acostuma, seja por comida, drogas, sexo, reclamar o tempo todo - o que for. Também autodescartando-se, o que pode começar com palavras e pensamentos ruins sobre si mesmo, sendo duro demais com seus defeitos. e falhas. E defeitos falhas, todos nós temos. E isso afeta até a estrutura do cérebro, que se acostuma com a rotina de metaforicamente mutilar a si própri@. Para sair dessa, Emocionalmente, só há um caminho, o da viagem interior, para dar fim a isso. Há uma forma de quebrar esse ciclo. Um primeiro passo:
Perdoe-se, alimentando sua alma com aquilo que ela realmente quer.
Perdoe-se, insisto. E pratique autoamor.  Aliás, comece agora. 
Repita agora mesmo: Eu me amo!


Vício é um terrível peso na vida. Como que isso acontece? O que leva ao vício? Qual sua base? Aqui vamos fazer uma abordagem simples do tema, examinando a raiz da questão, comum a todos. Queremos prazer. Isso é natural. Mas aí a coisa da tilt. Uma atividade, ou um tipo de droga, dá ao cérebro aquela dose de dopamina imediata, e o cérebro pede mais. Você dá mais, o cérebro gosta, e pede mais. Repete isso x vezes e pronto: vício.


 

Vício nada mais é que um loop do cérebro. Ele quer prazer e você fornece uma forma de dar prazer. Ele então exige mais e mais, de forma cada vez mais insistente. O mundo se reduz. A vida se reduz. O foco ficou simples: obter aquela experiência novamente.

 

Existe uma diferença entre prazer e felicidade. Esta é uma questão essencial para superar ou evitar o vício. Precisamos buscar a felicidade, não o prazer. Em termos químicos, queremos serotonina, não dopamina.

 

O prazer desaparece imediatamente ao final da experiencia. Se você parar para pensar, é realmente impressionante o pouco que o “prazer dos sentidos” lhe oferece em termos de bem-estar. Você vê o filme mais incrível, e ainda saindo do cinema, já bate passou o prazer. Você tem uma refeição incrível, e segundos depois da última engolida, só resta o desafio da digestão. Sexo, pornografia, compras, drogas... no instante que terminou, nada lhe resta. A sensação não carrega, não preenche. Fica o vazio.

 

Por isso o vício. Você precisa repetir a dose. Fazer de novo. Por que não ficou nada. Não sobrou bem-estar.

 

A felicidade é diferente. Eu falo muito sobre a importância de duas coisas: dharma e bhakti, que traduzido, significa dever e devoção.

 

Quando você cumpre seu dever, seu dharma, faz bem-feito, o bem-estar é profundo. É felicidade. Se você trabalha bem, você sente a felicidade de estar cumprindo seu dever, sentindo a conexão. Se você realiza sua vocação, você termina todos os dias feliz por estar vivendo seu propósito. A felicidade dura. Carrega você, inclusive, pelos momentos de dor e dos desafios.

 

Devoção, bhakti, também tem este efeito, num nível ainda mais profundo. Krishna fala na Bhagavad-gita da “felicidade ilimitada” do yogi. Não tem limite. É o amor vibrando. Quanto mais amor, mais felicidade. Não algo que passa e desaparece de um segundo para o outro como o prazer, mas algo que permanece, que ilumina sua vida.

 

Deixe o prazer aparecer. Ele vem naturalmente. Uma flor, um céu bonito, um encontro, uma bela refeição, um bom filme... acontece. Maravilha. Mas isso não é a vida. A vida é dharma e bhakti. A vida é você estar no aqui e agora, vivendo seu propósito. Isso sim lhe dará felicidade. Isso preenche.

 

Superar o vício necessita esta mudança de paradigma, que é a base de todo o Caminho 3T, do yoga: mudar o foco de fora para dentro. Entender que a felicidade se dá de dentro para fora, não de fora para dentro. Isso implica em abandonar a ilusão que vai ser feliz com qualquer experiência sensorial, seja sexo, droga ou seja lá o que. Não funciona. Você sabe que não funciona. Porque não dura. Acaba. Mas viver seu propósito dura. Estar no aqui e agora sempre traz felicidade. Devoção é amor e amor sempre deixa a vida perfeita.

 

Se está com o cérebro com sua fiação toda torta por causa de vício, exigindo loucamente a repetição daquela droga, daquela experiência sexual ou pornográfica, daquele jogo, você precisa buscar uma solução em dois campos.

 

O primeiro campo é o prático, fisiológico: você precisa buscar ajuda terapêutica. Processos testados e conhecidos para ajudar a quebrar o vício. Grupos de apoio, hipnose, acupuntura, técnicas alternativas como Barras de Access, EFT, Theta Healing, e, acima de tudo, enormes doses de auto-perdão e amor próprio!

 

O segundo campo é existencial: mudança de paradigma. Você precisa gradualmente corrigir o erro na raiz, alimentando sua alma com aquilo que ela realmente quer: dharma e bhakti.

 

No livro “O Caminho 3T” (www.3T.org.br) aprenderá, passo a passo, o caminho para uma vida de grandes realizações e crescente felicidade em dharma e bhakti, com você no comando, forte para determinar e escolher seu rumo.

 

O autoamor não têm nada a ver com egoísmo. Eu entendo que às vezes uma pessoa pode se acostumar com o pensamento de que não merece nada. Isso não poderia ser mais falso. Faça um exercício. Fique em silêncio todos os dias por um tempo. E pergunte à sua alma: "O que é que a minha alma quer de mim?"

Tire muitos dias de folga do rancor, pare com essa birra de não querer se amar livremente e comece a dar abraços grátis, em você mesma.

É necessário ser valente, para ser feliz.

 

Pratique o #mantradoDIA: Eu Me AMO! 

 

 

 

 

Envie seu comentário