Aracaju, 16 de Outubro de 2018

Coluna

Post 38709a474f3f1d37

Pensamento, palavra e ação

Por Suely Buriasco

Treinamentos em resolução de conflitos e coaching para equipes, familiares e pessoais.
Aprenda a administrar conflitos e fortaleça suas relações!

 

Suely Buriasco é  consultora em Mediação Corporativa, Mediação de Conflitos e Coach, atuando nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Educadora graduada em Estudos Sociais e pós-graduada em Docência Superior e Mediação de Conflitos e MBA em Gestão Estratégica de Pessoas.  É articulista de jornais e sites, sempre abordando temas que incentivam o autoconhecimento e a busca pelo equilíbrio, harmonia e sabedoria. Possui dois livros publicados pela "Novo Século"Editora": Uma Fênix em Praga e Mediando Conflitos no relacionamento a dois.



Agende sua consulta através do telefone 11 3254-7420 ramal 143
WhatsApp 11- 993514566
www.sburiasco.com.br

25/08/2015
O que faz você feliz?
Article cover big 550e1aaf3796fa57

Recentemente foi divulgado um estudo americano que revelou que, depois dos 50 anos de idade, o otimismo e a satisfação com a vida diminuem o risco de morte em até 18%. Já quem é pessimista tem 20% mais risco de morrer precocemente. De acordo com a pesquisadora: "A satisfação com a vida pode mudar os efeitos de eventos como divórcio ou desocupação. Algumas pessoas conseguem se adaptar de maneira mais rápida às novas situações porque parecem ter uma satisfação com a própria vida mais estável, enquanto outros não se adaptam assim rapidamente".
 

Quem chega aos 50 anos com boa disposição e alegria soube enfrentar e superar os percalços ao longo da vida. Ninguém é otimista porque vive sem problema, mas porque tem visão otimista em relação às dificuldades da vida. Também não se trata de viver fora da realidade, mas de dar ênfase ao lado positivo das pessoas e situações. A maneira como enxergamos a vida é que faz toda a diferença; o copo meio vazio para uns e meio cheio para outros.
 

Paul Dolan revelou em entrevista à revista Veja de 15 de julho que "é fundamental unir prazer e propósito e cultivar as relações sociais". O economista inglês que passou os últimos dez anos pesquisando o que leva uma pessoa a ser feliz, considera que a felicidade é uma combinação de prazer com propósito ao longo do tempo e diz: "Minha orientação é para que as pessoas centralizem tempo e energia naquilo que realmente lhes faz bem".
 

As pessoas que conseguem sentir satisfação na vida são as que definiram o que causa essa sensação e se dedicam a ela. Um simples prazer não passa de um momento ínfimo, que pode até trazer grande sofrimento posterior. Mas se houver nisso um propósito maior, que acrescente um bem-estar duradouro para si mesmo e também para outras pessoas, isso é felicidade. Quem já percebeu que não pode ser feliz sozinho e que, por isso, não tem sentido se envolver em emoções destrutivas, tais como ciúmes e inveja, sente satisfação na vida. E quem sente satisfação não se perde em ansiedade, vive o melhor do momento e é nisso que encontra disposição para ir à busca do que deseja.
 

A questão que nos deparamos se refere ao ponto objetivo pelo qual se define o sentimento real de satisfação, que é um ponto subjetivo. Saber o que nos causa felicidade é, pois, o início desse trabalho contínuo de escolher viver o melhor de toda e qualquer situação.
 

Isso sim é dedicar-se a algo que vale à pena!

Envie seu comentário