Aracaju, 24 de Abril de 2018

Coluna

Post ab3bd729b90cc9bb

Aqui Entre Nós

Por Nazaré Carvalho

Nazaré Carvalho é graduada em Letras pela UFS, especialista em Direito Educacional, jornalista, radialista e apresentadora de televisão. Exerce atualmente o cargo de Assessora de Comunicação da Faculdade Pio Décimo

25/09/2015
Intolerância
Article cover big 4ac2e044897eeb22

Nenhum homem deve sofrer discriminação em virtude de cor, raça, condição social, etc.. Este é apenas um dentre os princípios elementares da defesa da dignidade do homem, que estão perpetuados nas linhas superlativas da Constituição Federal do Brasil. Não obstante, a sociedade brasileira, está longe de observá-lo. Já que, na prática, os atos relativos a este tema vão à contramão das leis, e por vezes, são expressos em forma de atitudes mesquinhas e racistas.
 

Interessante observar, que o histórico de preconceito contra os negros advêm principalmente de sua condição de escravos, à época em que foram trazidos da África a países como o Brasil. Também durante o regime do apartheid, os negros foram expostos à margem na África do Sul, não podendo ser considerados cidadãos na plenitude da palavra.
 

Algo semelhante ainda acontece em muitos países, onde ainda hoje a mistura de raças não é oficialmente tomada em consideração. Embora os negros já sejam considerados cidadãos comuns nesses países, ainda hoje vivem em condições de vida menos favorecidas do que as pessoas em geral. 
 

Rui Barbosa, certa vez, disse: "É preciso tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais na medida em que eles se desigualam". Este deveria ser um dos ideais elementares da vida moderna, já que, as carências impostas ao povo negro são oriundas de um processo histórico de marginalização e degradação, que por ora, merece um cuidado diverso. No que tange o alcance da diminuição dos efeitos negativos desse legado indesejável. 
 

Difícil entender os desdobramentos desse controverso tema no Brasil, porque aqui, a diversidade de raças é um traço dominante. Em conformidade com isso, os dados revelam que a população brasileira é composta de aproximadamente 50% de negros. Contudo, atos racistas ainda persistem e emanam dos mais diversos nichos da sociedade. Vão desde pessoas sem cultura (letras) a até doutores (letrados).
 

Por isso é preciso urgentemente uma mudança de atitude. Precisa-se respeitar a diversidade, a singularidade de cada indivíduo, que não deve e nem pode ser desprezada à custa de julgamentos ilegítimos e superficiais, que levam em conta apenas a aparência.
 

Por outro lado, a própria população negra precisa assumir sua identidade. Pois dos quase 50% de negros do Brasil, apenas 6,9% se declara negra, de fato, enquanto que 42,6% se consideram pardos.
 

Portanto, urge a aplicação das leis contra o racismo e o endurecimento das penas relativas a crimes desta natureza, e talvez assim os adeptos desta prática, mesmo que por motivos diversos da sua convicção ou consciência apliquem as leis e respeitem o seu próximo.

Envie seu comentário