Aracaju, 09 de Dezembro de 2018

Coluna

Post 38709a474f3f1d37

Pensamento, palavra e ação

Por Suely Buriasco

Treinamentos em resolução de conflitos e coaching para equipes, familiares e pessoais.
Aprenda a administrar conflitos e fortaleça suas relações!

 

Suely Buriasco é  consultora em Mediação Corporativa, Mediação de Conflitos e Coach, atuando nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Educadora graduada em Estudos Sociais e pós-graduada em Docência Superior e Mediação de Conflitos e MBA em Gestão Estratégica de Pessoas.  É articulista de jornais e sites, sempre abordando temas que incentivam o autoconhecimento e a busca pelo equilíbrio, harmonia e sabedoria. Possui dois livros publicados pela "Novo Século"Editora": Uma Fênix em Praga e Mediando Conflitos no relacionamento a dois.



Agende sua consulta através do telefone 11 3254-7420 ramal 143
WhatsApp 11- 993514566
www.sburiasco.com.br

18/11/2015
Eu vejo humanos e vejo humanidade
Article cover big f8c8cfa9d6a0c8f5

Por Suely Buriasco

Acho lamentáveis algumas postagens nas redes sociais em que pessoas depreciam 

a si mesmas ao qualificar o ser humano de forma negativa e generalizada. Ninguém 

discute que existem pessoas capazes de grande crueldade, atos terroristas, crimes 

contra a vida. É óbvio que muitos por interesse próprio não se importam em causar 

danos irreversíveis na vida de seus semelhantes, mas isso não significa que todas 

as pessoas são assim, certo? Quando generalizamos nos colocamos em posição de 

desvantagem; é como se nos entregássemos a uma situação que não concordamos 

e não fazemos parte. Isso é capaz de levar os bons a grande abatimento!

O número de pessoas que repudiam atos criminosos é infinitamente maior, a 

indignação e o desprezo são incomparáveis. Chocadas com o que está 

acontecendo no Brasil e no mundo, as pessoas querem mostrar solidariedade, elas 

realmente se importam, mesmo que não saibam o que fazer e se confundam um 

pouco. Algumas acabam perdendo o foco e na busca de encontrar culpados se 

enchem de razão e passam a criticar umas às outras. Muitas vezes se prendem em 

picuinhas tão desprezíveis que dão a aparência de não se importarem com o 

principal, mas tudo isso é, na verdade, consequência das formas diferentes de 

manifestar seus sentimentos de frustração e tristeza. Elas simplesmente não 

gostariam que as coisas fossem assim.

Com isso não pretendo redimir pessoas de suas mazelas, não estou querendo, em 

absoluto, tapar o sol com a peneira. Eu apenas estou conjecturando sobre a 

tolerância em relação a cada individualidade, ou seja, dificuldades e manifestações 

próprias de cada um. O que busco é uma proposta introspectiva para encontrar 

respostas próprias e, mais que isso, chegar a conclusões que permitam sair da 

visão egoística do "eu" e olhar para o macro, o "nós". O que nosso mundo está 

precisando é desse sentimento interior que se amplia e se intensifica à ponto de 

atingir a consciência coletiva. 

Embora humanos e como tal únicos, imperfeitos e complexos, muitos são os que já 

manifestam sentimentos harmoniosos, gentis e solidários. A humanidade não está 

doente, muitos humanos sim. O bem é infinitamente maior do que o mal e a prova 

disso é que diante de situações alarmantes as pessoas se unem, se aglomeram, 

sentem necessidade de ser e estar um pouco menos impotentes. Grupos de apoio, 

ONGs e muitos outros tipos de agrupamento se fazem em prol do bem. 

Eu fiquei particularmente feliz em participar de uma manifestação promovida pela 

Avaaz que faz trabalho humanitário por todo o planeta e se mobiliza para garantir 

que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas 

nacionais e internacionais. E também me alegrei em conhecer, através de uma rede 

social, uma dentista mineira que iniciou uma campanha acanhada, mas muito bem 

organizada em favor dos desabrigados de Valadares. Pequenos atos que tomam 

grande dimensões quando você acredita no ser humano, releva personalismos e se 

une em prol de uma causa maior.

Que me desculpem os críticos e pessimistas, mas sim, eu vejo humanos e sim, eu 

vejo humanidade. E acima de tudo, eu acredito no potencial dos bons e em sua 

capacidade de transformar o mundo. 

                                                                                       www.suelyburiasco.com.br

Envie seu comentário